Você já ouviu falar em pensamento sistêmico? Essa é uma nova abordagem que compreende o desenvolvimento das pessoas sob o olhar da complexidade. Ela foca não apenas em um único indivíduo, mas leva em consideração o contexto ao redor e as relações estabelecidas. 

Para pensar sistematicamente, é preciso ter um novo olhar sobre o mundo e a sociedade, além de uma nova postura para ampliar as visões. Dessa forma, é possível entender que uma pessoa não é a única responsável por ter um determinado pensamento ou atitude, mas que todas as relações a influenciam e sustentam esses fatores. 

Por exemplo, você já observou que um comportamento de um familiar com outro afeta o indivíduo? Por isso, no pensamento sistêmico são usados termos como “coparticipação” e “corresponsabilidade”, pois o resultado do indivíduo provém da influência de um membro da família, que é um sistema. 

Quer entender melhor o que é o pensamento sistêmico e qual papel essa abordagem pode ter na sua escola? Acompanhe o texto!

Afinal, o que é o pensamento sistêmico?

O ponto de partida do pensamento sistêmico é um sistema, ou seja, um grupo de pessoas ou processos que seguem um caminho para um propósito comum. Pode ser uma família, um ambiente de trabalho ou a sala de aula. Por isso, ter uma visão sistêmica e enxergar como o todo interfere na individualidade é muito importante para buscar melhorias nas relações e, no caso que estamos abordando, na educação. 

Sua escola, por exemplo, é uma organização, e ela está sempre buscando atender às necessidades dos alunos e responsáveis para melhorar o processo de aprendizagem. Ou seja, o pensamento sistêmico segue a ideia de que o todo é mais importante do que as partes que o compõem, por mais que cada uma delas tenha as suas características e relevâncias. 

Essa abordagem acredita que a propriedade está ligada à totalidade do projeto, por isso não adianta uma parte funcionar bem e outra não ter um bom rendimento, pois atrapalha o todo. Para aplicar um pensamento sistêmico eficaz na sua instituição de ensino, é importante atentar a alguns princípios, como:

  • Nada acontece isoladamente nos sistemas, por isso o indivíduo deve analisar o que será afetado e qual o resultado a ser obtido com a sua ação. 
  • A pessoa deve resistir a ter algum tipo de reação quando ocorre um acontecimento inesperado. Assim, é necessário questionar os acontecimentos, se é um padrão ou é correspondente a outros episódios semelhantes. Se um evento for parecido com alguma outra situação, é preciso buscar uma mudança estrutural para melhorar o sistema e evitar que o indesejado aconteça. 
  • Como os sistemas possuem várias partes, os indivíduos devem ter a consciência das diferenças e respeitar os lugares que as pessoas ocupam.

Como adotar o pensamento sistêmico na sua escola? 

Dentro da escola, o profissional sistêmico vai convidar os envolvidos no “problema” para debater em conjunto. Pode ser aqueles indivíduos que lidam todos os dias com os alunos, por exemplo, ou um especialista (um orientador escolar, fonoaudiólogo ou psicopedagogo). 

Quando todos os envolvidos estão reunidos, é possível criar um novo caminho de interpretação para que todos participem e tenham autonomia na busca do resultado. Todos são responsáveis pela descrição do problema e pela solução. 

Para um aluno ter um melhor desempenho no ambiente da sua escola, é importante perceber como ele se insere na sala de aula, um subsistema dentro da instituição. Os educadores devem observar essa rede de sistemas que faz parte das relações dos estudantes. É importante pensar em cada indivíduo no coletivo e como o ambiente externo e as outras pessoas o afetam. 

O mais importante é valorizar todos os alunos da sua instituição e aqueles que estão por trás do processo de ensino. Por isso, é fundamental que não existam divisões que privilegiem mais uns que outros, mas sempre pensar no melhor resultado para o ambiente escolar como um todo. 

É fundamental que a escola comece a desenvolver o pensamento sistêmico no ensino, organizando um planejamento estratégico. Nele, devem estar os objetivos e as ações que precisam ser realizadas para chegar ao resultado que todos buscam. 

A abordagem sistêmica pode ser aplicada na proposta pedagógica, considerando múltiplas teorias para dar consistência e aplicabilidade do que é proposto. O pensamento sistêmico também pode estar presente por meio dos eixos temáticos, uma rede dialógica e dialética que possibilita uma percepção mais ampla das diferentes formas de ver, agir e interagir com o mundo.

Você viu que o pensamento sistêmico é essencial para compreender ambientes mais complexos, com muitos fatores externos que influenciam um indivíduo; e como ele facilita a proposta de soluções diante dos desafios atuais da educação. Por isso, pense em mudar os pensamentos e práticas da equipe pedagógica da sua escola para começar a aplicar essa abordagem no ensino. 

Confira outros conteúdos importantes para a sua escola no blog do COC:

Qual a importância de conversar sobre saúde mental na escola?

Qual é a importância de um ensino interdisciplinar para os jovens?