A concordância verbal é capaz de dar um nó na nossa cabeça! A correta flexão entre o verbo de uma oração e o seu sujeito figura entre as principais dúvidas de gramática na língua portuguesa. As inúmeras regrinhas, que devem ser seguidas à risca, dividem-se entre os dois tipos de sujeitos: simples e composto.

Para te ajudar a refrescar a memória e não cometer mais enganos e deslizes verbais, nós organizamos um grande resumo com os principais pontos sobre esse tipo de concordância. Confira:

Sujeito simples

Regras gerais

No caso de uma oração formada por sujeito simples, o verbo sempre irá concordar em número e pessoa com seu único núcleo.

Eu adoro ir à praia.

Meus amigosjogam videogames on-line todos os dias.

Júliaestá contente, pois seu aniversário está chegando! Que tal organizarmos uma festa surpresa?

Nósvamos jantar em uma hamburgueria. Você gostaria de ir também?

Casos particulares

O sujeito simples, em especial, é o que mais suscita dúvidas quando se trata da concordância verbal. Isso acontece porque algumas expressões são influenciadas pelo seu significado e, ao concordá-las gramaticalmente, é possível ter a impressão de que estão transmitindo uma ideia plural, quando na verdade são expressões singulares. Aqui separamos alguns casos particulares onde esse tipo de confusão acontece e explicamos a maneira correta de conjugar os verbos.

Expressões partitivas

Expressões partitivas são aquelas que fazem referência a uma parte de um todo e determinam tal proporção de maneira imprecisa. Quando sucedidas por um substantivo ou pronome plural, o verbo pode ser conjugado no singular ou no plural. É um caso facultativo.

São expressões partitivas:

A maior parte de, a maioria de, metade de, grande parte de, boa parte, menos da metade, uma porção de.


Veja alguns exemplos:

Uma porção dos meus amigos do colégio já se formou em um curso superior.

Uma porção dos meus amigos do colégio já se formaram em um curso superior.

 

Menos da metade das encomendas deste mês chegou.

Menos da metade das encomendas deste mês chegaram.

 

A maioria dos profissionais de comunicação está trabalhando muito nos últimos dias.

A maioria dos profissionais de comunicação estão trabalhando muito nos últimos dias.

 

A mesma regra deve ser utilizada também para as expressões que carregam o significado de coletividade. Confira:

 

Tropecei em um formigueiro no quintal e um bando de formigas invadiu minha casa!

Tropecei em um formigueiro no quintal e um bando de formigas invadiram minha casa!

 

Vale ressaltar que, em ambos os casos, é gramaticalmente correto optar pela conjugação singular ou plural. A diferença se dá na ênfase que a construção verbal proporciona ao sujeito da oração. A conjugação no singular dá destaque ao caráter de unidade, enquanto o plural exalta o número de elementos que praticaram determinada ação.

Quantidade aproximada

Quando a oração utiliza uma expressão que indica quantidade aproximada, acompanhada de um numeral e um substantivo, o verbo é conjugado para concordar com o substantivo, ou seja, para concordar com o número ao qual está se referindo.

São expressões aproximadas:
Cerca de, mais de, próximo de, por volta de.


Confira algumas frases com este tipo de construção:

Cerca de60 milhões de players brasileiros movimentam o setor de games na economia do país.

Por volta demil candidatos aprovados no vestibular são bolsistas.

Mais deum amigorecebeu uma proposta de estágio nos últimos meses.

A única expressão desta classe de palavras que precisa de um pouquinho de atenção é mais de um. Ao empregá-la com o sentido de reciprocidade, o verbo deve ser conjugado no plural. Entenda:

Mais de um amigo se magoaram com as atitudes na festa.

Mais de um colega de trabalho se queixaram sobre a falta de empatia.

Nomes plurais

Os nomes de algumas cidades, estados, países e outras localidades existem apenas no plural. Nessa situação, ao conjugar um verbo, é necessário estar atento à presença ou não de um artigo junto ao nome. Sem artigo, o verbo deve ser conjugado no singular, enquanto com o artigo, o verbo deve ser flexionado no plural. Observe alguns exemplos:

Minas Gerais está muito quente nesta época do ano!

As Minas Gerais estão muito quentes nesta época do ano!

 

Estados Unidos é uma nação de primeiro mundo.

Os Estados Unidos são uma nação de primeiro mundo.

 

É importante considerar que alguns nomes são sempre usados sem o artigo; portanto, acompanhados de verbo no singular, como:

Campinas cativa por sua tranquilidade aos finais de semana.

Já outros são normalmente precedidos de artigo, o que leva à conjugação no plural. Exemplo:

Os Lençóis Maranhenses cativam por sua beleza natural.

Pronome interrogativo ou pronome indefinido

Em situações nas quais o sujeito é nós ou vós, precedido por um pronome interrogativo ou pronome indefinido no plural, o verbo pode concordar com o pronome empregado - 3ª pessoa do plural - ou com o pronome pessoal. Mas isso não acontece com pronomes interrogativos ou indefinidos no singular.

São pronomes interrogativos:

Quantos, quais, quem, que.


São pronomes indefinidos:

Alguém, algo, nada, ninguém, tudo.


Acompanhe alguns exemplos:

Alguns de nós sabíamos dos riscos envolvidos e fomos ao passeio mesmo assim.

Alguns de nós sabiam dos riscos envolvidos e foram ao passeio mesmo assim.

Nesse caso as duas opções de concordância causam impressões diferentes. Na frase em que o verbo concorda com o pronome pessoal nós, o emissor da frase se inclui no grupo sobre o qual está descrevendo determinada ação. O mesmo não acontece ao optar pela concordância com o pronome indefinido alguns, uma vez que o orador inclui-se no grupo, mas não na ação em si.

Quando o pronome interrogativo ou o pronome indefinido estiver no singular, o verbo deverá ser conjugado de acordo com ele.. Veja alguns exemplos:

  • Qual de nós é capaz de causar tanta bagunça em um único dormitório?
  • Algum de vocês vai ter que me ajudar.

Porcentagem + substantivo

Ao empregar o uso de uma porcentagem na frase, o verbo da oração é conjugado com base no substantivo que acompanha o número. Entenda:

25% do meu salário não foi depositado corretamente neste mês.

1% da populaçãoacredita na candidatura desde Ministro.

47% dos entrevistadosconfessaram não estar cientes sobre os perigos da crise hídrica.

70% dos alunosestão aprovados e aptos a cursar o próximo ano escolar.

É importante frisar que caso a porcentagem não esteja ao lado de um substantivo e seja maior que 1%, o verbo deve ser conjugado no plural.

67% estão inconformados com as queimadas na região, enquanto 1% não tem conhecimento da situação.

Pronome relativo “que”

O verbo deve obrigatoriamente concordar com o substantivo, pronome ou numeral anterior ao pronome que. Confira alguns exemplos:

Fui eu que fechou a porta e esqueceu de trancá-la corretamente.

Foram meus cachorros que causaram tanta confusão esta madrugada.

Foi um acidente que causou todo o trânsito pela avenida.

Expressão “um dos que”

Apesar de ser considerada uma concordância facultativa, a expressão um dos que deve, preferencialmente, ser acompanhada por um verbo conjugado no plural - logo, o verbo irá concordar com o substantivo que está acompanhado do pronome relativo que. Entenda:

Você é um dosalunos que nunca pedem ajuda durante as aulas.

Rafaela é uma dasselecionadasque mais pontuaram nesse processo seletivo.

Dos jornalistas desta redação, você é um dos que mais fazem horas extras.

Pronome relativo “quem”

Ao utilizar o pronome relativo quem em uma oração, a construção verbal que o acompanha pode ser conjugada de duas maneiras. Pode-se optar por flexionar o verbo de acordo com a pessoa que antecede o pronome ou conjugá-lo na 3ª pessoa do singular. Lembre-se de que esse pronome deve ser empregado apenas para se referir a seres humanos. Veja algumas frases com essa estrutura:

Fui eu quem esqueceu a louça suja sobre a pia.
Fui eu quemesqueci a louça suja sobre a pia.

 

Fomos nós quem fizemos barulho após as 22 horas.

Fomos nós quem fez barulho após as 22 horas.

 

Foram eles quem causaram confusão na aula de ontem.

Foram eles quem causou confusão na aula de ontem.

Pronomes de tratamento

Em orações cujo sujeito simples é um pronome de tratamento, o verbo deve sempre ser flexionado na 3ª pessoa do singular ou plural, sempre de acordo com o número do pronome.

São pronomes de tratamento:

Você, Senhor, Senhora, Vossa Excelência, Vossa Santidade.


Acompanhe:

Vossa Excelência já realizou a leitura de todo o processo?

As Senhoras estão cientes de todas as condições deste contrato?

O Senhor confirmou presença no evento da empresa deste final de semana?

Verbos bater, soar e dar com numerais

O caso específico dos verbos bater, soar e dar implica sua conjugação considerando o numeral expresso na oração em questão. Entenda:

Bateram12 horas no relógio da catedral.

Deu1 hora no relógio da nossa sala, por isso todos já foram embora ao final da prova.

Soaram14 horas nos sinos da igreja.

É preciso ter cuidado com as frases que indicam horas. Quando o sujeito é o relógio, o sino, ou a torre, por exemplo, o verbo não deve concordar com o numeral, e sim com o sujeito!

O relógiodeu 13 horas e eu ainda estava dormindo.

Verbos impessoais

Os verbos impessoais não fazem uma referência direta a nenhum sujeito. Eles são flexionados na 3ª pessoa do singular.

São verbos impessoais:

Haver, quando empregado no sentido de existir.

Fazer, quando empregado para indicar um período temporal.

Verbos que indicam fenômenos da natureza.


Confira alguns exemplos:

Havia muitos pontos a serem corrigidos no seu relatório.

Houve diversas reprovações nesta disciplina.

 

Faz duas horas que estou esperando a sua ligação. Fiquei muito preocupada!

Faz muito sol na Bahia durante esta época do ano.

 

Chovia muito quando cheguei em casa.

Relampejou durante toda a madrugada.

Sujeito composto

Regras gerais

Quando o sujeito de uma oração é classificado como composto, ele possui mais de um núcleo. Nesse caso, ele pode ser apresentado de três maneiras distintas, sendo necessário adaptar as conjugações verbais. Acompanhe:

Sujeito anteposto ao verbo

Quando o sujeito composto de uma sentença é expresso antes da construção verbal, o verbo é flexionado no plural. Confira exemplos:

Cães e gatospodem conviver em harmonia com o cuidado correto dos donos.

Tampinhas e selosestão entre os meus itens favoritos para colecionar.  

Laura e Amandaestudam sempre juntas.

Sujeito formado por duas ou mais pessoas diferentes

Em situações nas quais o sujeito composto é formado por mais de uma pessoa gramatical, a concordância verbal segue a seguinte regra: a primeira pessoa do plural prevalece sobre a segunda pessoa do plural, que por fim, prevalece sobre a terceira. Veja:

Eu, você e Pedro vamos viajar no próximo final de semana. (= 1ª pessoa do plural)

Tu e teus amigos ireis à escola na segunda-feira pela manhã. (= 2ª pessoa do plural)

Gabriel e Arthur foram ao cinema ontem à noite. (= 3ª pessoa do plural)

Sujeito posposto ao verbo

Para os sujeitos compostos que aparecem depois do verbo, a concordância verbal é opcional. Normalmente, conjuga-se o verbo de acordo com o núcleo do sujeito mais próximo a ele. No entanto, pode-se optar por conjugá-lo no plural, permitindo que o verbo faça referência a todos os núcleos. Confira alguns exemplos para essa situação:

Faltaram dedicação e cuidadono desenvolvimento deste projeto.

Faltou dedicação e cuidado no desenvolvimento deste projeto.

 

Virão a Sandra, o Henrique e a Thaís para a festa.

Virá a Sandra, o Henrique e a Thaís para a festa.

Ações com reciprocidade

Nos verbos que demonstram o uma ação recíproca entre os sujeitos da frase, a conjugação é feita no plural.  Veja o exemplo:

Beijaram-se o noivo e a noiva.

Bia e Pedro cumprimentaram-se com discrição.

Casos particulares

Os sujeitos compostos podem apresentar outras diversas construções, afetando a conjugação e, às vezes, causando confusão. Confira os casos particulares e entenda como conjugá-los de maneira correta.

Núcleos sinônimos

Quando o sujeito composto possui como seu núcleos palavras consideradas sinônimas, o verbo pode ser flexionado no singular ou no plural. Confira os exemplos:

Felicidade e alegria estampavam o rosto da aniversariante.

A tristeza e a melancolia não era escondida.  

Irritação e nervosismo pairavam no ar após a discussão

Núcleos gradativos

Quando o sujeito composto possui diversos núcleos que juntos apresentam ideia de gradação, o verbo pode ser conjugado tanto no singular quanto no plural. A diferença se dá, essencialmente, porque a opção pelo plural garante unidade de sentido à frase, enquanto o singular destaca o último elemento mencionado entre os núcleos.

A chuva, os ventos e o forte relâmpago assustou as crianças durante a madrugada.

A chuva, os ventos e o forte relâmpago assustaram as crianças durante a madrugada.

Emprego de “ou” e “nem”

Quando os núcleos de um sujeito composto são unidos pelas estruturas ou e nem, o verbo é conjugado no plural. Essa regra vale para as frases cuja ação se estende atodos os núcleos do sujeito.

Rosa ou azul foram as cores escolhidas para os vestidos das madrinhas de casamento.

Nem morango nem chocolate são os sabores mais votados para a barraca de sorvetes na festa da escola.

Caso a afirmação feita no predicado seja atribuída a apenas um núcleo do sujeito, o verbo deve ser conjugado no singular. Nesse caso, dizemos que a oração possui núcleos excludentes.

Jalapão ou Bonito será o destino de nossa próxima viagem pelo Brasil.

Ou Lucas ou Matheus foi escolhido para a bolsa de estudos.

Emprego de “um e outro” e “nem um nem outro”

Emprega-se, preferencialmente, a concordância verbal no singular para orações com o uso de um e outro e nem um nem outro. Vale ressaltar que a opção pelo plural não é considerada gramaticalmente errada.

Nem um nem outro decidiu sobre o que irão fazer para se divertir no feriado.

Nem um nem outro decidiram sobre o que irão fazer para se divertir no feriado.

 

Um e outro escolherá o que vamos cozinhar para o jantar.

Um e outro escolherão o que vamos cozinhar para o jantar.

Núcleos unidos por “com”

Quando os núcleos de um sujeito composto são unidos pela palavra com, a construção verbal pode ser flexionada no plural. Essa estrutura de oração garante que os dois núcleos recebam a mesma importância.

A mãe com a filha cozinhavam o almoço de domingo.

O padrasto com o enteado construíram uma bela casa na árvore.

Por outro lado, o verbo deve ser conjugado no singular se a frase desejar dar destaque a um único núcleo.

A mãe com a filha cozinhava o almoço de domingo.

O padrasto com o enteado construiu uma bela casa na árvore.

Ainda é importante frisar que nessa situação as frases deixam de possuir um sujeito composto. Aqui, as construções “com a filha” e “com o enteado” são transformados em adjuntos adverbiais.

Expressões correlativas

Quando o sujeito composto de uma oração apresenta expressões correlativas, o verbo é conjugado no plural.

São expressões correlativas:

Não só __, mas também; não somente __, mas ainda; não apenas __, mas também; tanto __ quanto; seja __, seja; por um lado __, por outro.


Tanto
eu quanto meu namorado estamos preocupados com a sua saúde.

Não só a chuva, mas também os relâmpagos causaram medo na população.

Aposto recapitulativo

É chamado de aposto recapitulativo aquele que sintetiza todos os elementos do sujeito composto mencionados anteriormente. Portanto, a concordância verbal é construída com base nesse termo. Veja alguns exemplos:

Canetas, régua, lápis de cor, tudo o que estava em meu estojo se perdeu.

Calças, bermudas, meias e camisetas, nada foi lavado ao longo da última semana.

Aqui estudar é poder!

O aplicativo Coach COC é o seu novo parceiro para os estudos! Ele vai te ajudar a organizar a sua rotina e planejar seu dia a dia. Acesse a página do app e baixe agora mesmo!