O conhecimento da nossa língua portuguesa é essencial não só para superar a fase escolar e os tão temidos vestibulares, mas também para uma boa comunicação durante todos os períodos da vida. Apesar das diversas estruturas e ferramentas gramaticais, é possível aprender português de forma simples e objetiva. Assim como outras matérias, a língua portuguesa também exige treinamento. Com o tempo, o uso das normas gramaticais e seus recursos tornam-se automáticos no dia a dia!

O que é figura de linguagem

Antes de saber quais são as diferentes figuras de linguagem, é importante entender o que elas são. Também conhecidas como recursos de expressividade textual, são baseadas no sentido figurado, ou seja, o sentido “simbólico” que atribuem a uma palavra ou contexto. As figuras de linguagem evidenciam o quanto o idioma pode ser versátil, de modo que atenda a diferentes necessidades do interlocutor nas mais variadas situações.

Utilizá-las em um texto ajuda a enriquecer o seu conteúdo. Pode ser uma ótima artimanha para melhorar ainda mais as redações nos vestibulares, permitindo a apresentação de um texto original, criativo e esteticamente estruturado. As figuras de linguagem podem ser divididas em 4 tipos:

Figuras de som

As figuras de som utilizam sílabas, palavras ou letras para ajudar a transmitir uma ideia. São muito usadas em textos poéticos, pois conferem sonoridade ao texto. Além disso, representam sons específicos, como os da natureza. Alguns exemplos são: aliteração e onomatopeia. Também são muito usadas em histórias em quadrinhos, por exemplo.

Onomatopeia

A onomatopeia é a reprodução em palavras de sons ou mesmo de um som associado para determinada ocasião. No exemplo abaixo, citamos a onomatopeia do relógio, o barulho do espirro e o de uma campainha:

  • Tic-tac
  • Atchim
  • Din-don

Aliteração

A aliteração representa o uso repetitivo de sons consonantais, ou seja, o som da mesma consoante diversas vezes durante a frase. Não há necessidade dos sons serem iguais; podem ser apenas parecidos. Um grande exemplo são os trava-línguas:

  • “O rato roeu a roupa do rei de roma.”

Figuras de construção

Também conhecidas como figuras sintáticas, as figuras de construção alteram as estruturas clássicas das orações. Ao invés de manter o padrão comum de sujeito - verbo, altera a construção da frase de acordo com a necessidade da mensagem. As figuras de linguagem elipse, anacoluto e anáfora são exemplos desse tipo de figura de linguagem. Veja um exemplo de anáfora:

Anáfora

“[…] Se você dormisse

Se você cansasse

Se você morresse[…]” (Carlos Drummond de Andrade)

A anáfora consiste na repetição de uma ou mais palavras para enfatizar a mensagem, podendo ser utilizada no começo de orações ou versos. É comumente empregada em contextos poéticos e em músicas. Essa figura de linguagem permite maior expressividade ao conteúdo.

Elipse e Zeugma

É a figura de linguagem que omite um ou mais termos que podem ser subentendidos pelo contexto linguístico. Repare que na frase a seguir, a palavra “há” foi retirada, mas de modo algum isso prejudica seu sentido. Exemplo:

  • Sobre a mesa, apenas o computador.

Além disso, na elipse há uma outra categoria conhecida como zeugma. O zeugma omite termos que já foram citados anteriormente:

  • Eu gosto de cachorros, ele, de gatos.

O verbo “gostar” foi omitido da segunda oração, evitando inclusive a repetição de ideias que podem ser explicadas a partir do contexto.

Pleonasmo

O pleonasmo baseia-se na repetição de um termo da oração ou do significado de uma expressão. É importante ficar atento ao contexto em que essa figura de linguagem é utilizada. Se usada de forma exagerada ou sem sentido, diminui a credibilidade do texto. Veja:

“Ó, mar salgado, quanto do teu sal

São lágrimas de Portugal!”

O exemplo de Fernando Pessoa ajuda a entender: mesmo que seja de conhecimento geral que o mar é salgado, o escritor utiliza as expressões referentes ao sal repetitivamente para dar sentido poético ao texto.

Silepse

Essa figura de linguagem é muito interessante, pois diferente da maioria dos recursos gramaticais, concorda com a ideia que quer transmitir, e não com os termos que aparecem na oração. É uma ferramenta muito utilizada na fala coloquial:

  • São Paulo é cheia de surpresas.

São Paulo é um nome masculino, mas a oração concorda com a ideia por trás do texto: a cidade de São Paulo.

Figuras de palavras

As figuras de palavras utilizam termos de forma não convencional, criando o sentido conotativo. Seu uso é justificado pela semelhança ou comparação entre o termo utilizado e o termo substituído. Podemos citar como exemplo a metáfora e a sinestesia. Veja um exemplo de metáfora:

  • “Meu pensamento é um rio subterrâneo”. (Fernando Pessoa)

Metáfora

A metáfora é uma figura de linguagem muito utilizada no dia a dia. É baseada em utilizar o sentido literal de uma palavra ou frase para se referir ao figurativo.

  • Essa informação é a chave do problema.

A metáfora encontra-se na expressão “chave do problema”. A chave, um objeto usado para abrir coisas, é empregado na frase como forma de se referir a algo que será solucionado por meio de determinada informação, alterando o sentido original denotativo para o conotativo.

Sinestesia

A sinestesia é uma figura de linguagem que mexe com as sensações humanas. Normalmente, as combinações de sentidos são utilizadas paraenfatizar algo. No exemplo a seguir, são explorados os sentidos do olfato e paladar:

  • Aquele perfume era muito doce.

Figuras de pensamento

As figuras de pensamento são conhecidas como uma forma de causar impacto ou quebrar as expectativas do leitor. Utiliza expressões com sentidos opostos, que suavizam a oração ou que exageram determinada ideia. Os exemplos são ironia, eufemismo e paradoxo. Veja em exemplo de paradoxo:

  • “Incêndio em mares de água disfarçado! Rio de neve em fogo convertido!” (Gregório de Matos)

Veja um exemplo de ironia:

  • Que pessoa educada, entrou sem bater à porta.

Eufemismo

O eufemismo é utilizado para suavizar frases, ou seja, utiliza expressões que possam ajudar a diminuir o impacto que a frase original teria:

  • Ele faltou com a verdade.

Originalmente a frase seria “ele mentiu”, mas como a ideia do locutor é amenizar a mensagem, utiliza a expressão “faltou com a verdade”.

Hoje trouxemos 9 figuras de linguagem, mas existem diversas outras que podem te ajudar a buscar soluções criativas para os textos. Uma ótima maneira de treiná-las é por meio dos resumos, artifício muito útil aos estudos. Além disso, é importante manter um cronograma de estudos adequado para conciliar todas as matérias e ainda ter tempo para se divertir sem preocupações.

Baixe o Coach COC e organize seus estudos!

O aplicativo Coach COC é o seu novo parceiro para os estudos! Ele vai te ajudar a organizar a sua rotina e planejar seu dia a dia de estudos. Acesse a página do app e baixe agora mesmo!